Conheça o sistema de Transmissão de Energia elétrica do Brasil

O Brasil tem estruturado um Sistema Interligado Nacional (SIN), que inclui o conjunto de instalações para geração e toda a infraestrutura de transmissão de energia elétrica que abrange a maior parte do território nacional:

as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e parte da Norte.

Há também os chamados Sistemas Isolados, conjunto de instalações para geração e transmissão de energia elétrica não conectados ao SIN.

A maioria dos Sistemas Isolados fica na região amazônica.

Todos os sistemas elétricos são compostos por três fases principais: geração, transmissão e distribuição. Entenda em que consiste cada etapa e veja infográfico abaixo:

GERAÇÃO

Na fase de geração, a energia elétrica é produzida pelo aproveitamento de diversos recursos naturais. Água, gás natural, carvão, derivados de petróleo, biomassa, vento e irradiação solar, entre outros, são empregados para movimentar as turbinas e dar origem à energia elétrica.

No caso da geração hidrelétrica, a mais importante na matriz brasileira, uma instalação (usina) faz com que a energia potencial e cinética da água seja transformada em energia elétrica. A unidade geradora pode ser do tipo fio de água, sem represa, ou de regulação, com represa. No caso de uma central nuclear, a energia libertada a partir de combustível nuclear é convertida em energia elétrica. Nas centrais térmicas, a instalação converte a energia química, contida em combustíveis fósseis, sólidos, líquidos ou gasosos, em energia elétrica.

TRANSMISSÃO

A transmissão da energia gerada é realizada por uma rede de cabos de transmissão de alta voltagem suportados por torres. A rede é constituída por conexões realizadas ao longo do tempo de instalações inicialmente restritas ao atendimento exclusivo das regiões de origem.

O segmento de transmissão no Brasil é operado por 64 concessionárias. São cerca de 900 linhas de transmissão que somam 89,2 mil quilômetros nas tensões de 230, 345, 440, 500 e 750 kV.

Nas redes de transmissão, após deixar a usina, a energia elétrica trafega em tensão que varia de 88 kV (quilovolts) a 750 kV. Ao chegar às subestações das distribuidoras, a tensão é rebaixada e, por meio de um sistema composto por fios, postes e transformadores, chega à unidade final em 127 volts ou 220 volts.

Algumas unidades industriais operam com tensões mais elevadas (de 2,3 kV a 88 kV) em suas linhas de produção e recebem energia elétrica diretamente da subestação da distribuidora (pela chamada rede de subtransmissão).

DISTRIBUIÇÃO

A conexão e atendimento ao consumidor, qualquer que seja o seu porte são realizados pelas distribuidoras de energia elétrica. Além delas, as cooperativas de eletrificação rural, entidades de pequeno porte, transmitem e distribuem energia elétrica exclusivamente para os associados.Subestações alteram a tensão da energia elétrica recebida.

São instalações mantidas tanto por companhias transmissoras quanto distribuidoras. Energia distribuída é a energia efetivamente entregue aos consumidores conectados à rede elétrica de uma determinada empresa de distribuição. Essa rede pode ser aérea, suportada por postes, ou por dutos subterrâneos com cabos, fios ou fibras ópticas.

Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o país tem mais de 61,5 milhões de unidades consumidoras em 99% dos municípios brasileiros. Destas, a grande maioria, cerca de 85%, é residencial. O mercado de distribuição de energia elétrica é formado por 63 concessionárias, responsáveis pelo atendimento de mais de 61 milhões de unidades consumidoras.

As distribuidoras são o elo entre o setor de energia elétrica e a sociedade, visto que suas instalações recebem das companhias de transmissão todo o suprimento destinado ao abastecimento no país.

Entenda como funciona o Sistema de Transmissão »

Nenhuma Resposta

  1. Pingback: O que causou o apagão? 11 de novembro de 2009

Deixe seu Comentário