Chuvas em São Paulo – Causas e efeitos

Por Luiz De França

Especialistas em clima divergem sobre a previsão do tempo para o próximo fim de semana, mas estão de acordo em um ponto: as chuvas que assolam a Grande São Paulo são atípicas.

“Chuvas nessa época eram esperadas. O que nos surpreendeu foi a frequência dos temporais: em janeiro, só tivemos três dias sem qualquer tipo de precipitação”, diz Samantha Martins, metereologista da Universidade de São Paulo.

A explicação para isso estaria na junção de dois fatores climáticos: o El Niño, aquecimento das águas do Oceano Pacífico com efeitos globais, e a Zona de Convergência do Atlântico Sul, formada pelas massas de ar frio e quente que se movimentam de acordo com a força dos ventos.

“O El Niño favorece o deslocamento da umidade através dos ventos, aquece a água e modifica todos os fatores atmosféricos. Quando essa umidade se encontra com a faixa de nebulosidade fria e quente da Zona de Convergência estacionada na região, ocorrem as pancadas de chuvas”, afirma Neide Oliveira, metereologista do Instituto Nacional de Metereologia (INMET).

Outro fator que contribui para as fortes pancadas de chuvas no fim da tarde são as ilhas de calor, fruto do adensamento populacional nos grandes centros urbanos e da consequente impermeabilização do solo por meio do asfaltamento das vias.

“Conforme o sol aquece essa região, há uma grande evaporação de água, proveniente de todas a fonte, inclusive de poças. Até o momento em que o vapor d’água se adensa em tal volume que cai em forma de chuva”, explica Neide. “Essas ilhas retêm o calor por mais tempo, funcionando como uma tampa de panela: elas intensificam o calor e consequentemente as chuvas.”

Os meteorologistas divergem quanto ao volume de águas em janeiro.

• Para o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP), que faz a medição na zona sul da cidade, foram 653,2 milímetros a cada metro quadrado da capital – quase três vezes superior à média para o mês e recorde desde 1933, quando o IAG iniciou seus estudos.

• Já para o INMET, que faz a medição na zona norte da capital, foram 480,5 milímetros – valor só superado pelo recorde de 1947: 481,4 milímetros.

Acompanhe o especial “Chuvas em São Paulo – Causas e efeitos”

Chuvas em SP: ‘aquecimento local’ é uma das causas

‘São Paulo precisa parar’, dizem especialistas

São Paulo: o impacto das chuvas na web

SP: depois da tempestade, as doenças

SP: chuva também alagou e matou em 1947

SP: um dia de chuva visto do céu

Chuva e caos em São Paulo

São Paulo: décadas de chuvas

Deixe seu Comentário