Regras da conexão via rede elétrica serão pesadas

3ª parte da série “Internet pela rede elétrica

O presidente da Aptel (Associação de Empresas Proprietárias de Infraestrutura e Sistemas Privados de Telecomunicações), Pedro Jatobá, concorda com o peso da regulamentação do setor elétrico.

As normas são especialmente rígidas para o desenvolvimento de novos negócios. As regras do setor já dificultaram a implementação da rede de fibra ótica e fazem o mesmo com o PLC.

A questão da modicidade tarifária (garantia de que um cidadão possa pagar água, luz e telecomunicações recebendo um salário mínimo) como um complicador especial.

É inviável pensar em uma empresa de telefonia fixa separando completamente os seus serviços de banda larga. Em energia, isso é regra. Em médio e longo prazo, essa escolha acaba gerando um preço maior para o consumidor já que cada empresa possui infra-estrutura exclusiva.

Em 2004, começaram as reuniões com as empresas do setor de energia para discutir a viabilidade do PLC. Houve oito projetos pilotos em distribuidoras de energia e, até o final de 2008, nenhum foi lançado ao mercado. Na verdade a oferta atual não foi o ideal para o mercado, mas é um bom negócio. É o primeiro passo. É muito positivo ver uma tecnologia revolucionária saindo do papel.

O bom desempenho do PLC pode gerar pressão para mudar o atual sistema de regulamentação do setor elétrico. Com o sucesso do PLC, a sociedade pode pressionar os órgãos reguladores para flexibilizar isso.

E quem ganha é o usuário.

Uma Resposta

  1. Denilson 8 de abril de 2009

Deixe seu Comentário