Como ganhar dinheiro em tempos de crise

por Bruno Vieira Feijó

Os amigos Daniel Heise, Alexandre Bernardoni, Gustavo Zaiantchick e Giovanni Cervieri estavam na casa dos 20 anos quando fundaram a Direct Talk em 2000.

Precisando de capital para crescer, venderam 40% da companhia a quatro fundos de investimento.

O produto da empresa, um sistema unificado de atendimento ao consumidor — que junta e-mails, telefonemas e chats — foi adotado por call centers e companhias aéreas.

Em 2008, a crise econômica deu as caras, mas a meta de crescimento foi batida com uma receita de 12 milhões de reais — 50% a mais que em 2007.

A Direct Talk é um exemplo de empresa brasileira bancada pelo capital de risco. Agora, mesmo com um cenário econômico turbulento, os quatro sócios contam com um reforço dos investidores.

Em 2009, vence o prazo para que um dos fundos, a DGF, opte por sair ou continuar como sócio. “Existia um movimento de saída. A questão é que agora a noiva ficou mais atraente”, diz Daniel Heise. O quarteto planeja a saída total dos fundos apenas por volta de 2012.

Apesar da crise de liquidez, os fundos de investimento ainda são uma fonte de suporte para as startups. Segundo o Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital da FGV (GVcepe), desde 1999 até hoje os fundos investiram 26,6 bilhões de dólares no país, e estão em fase de captação para mais 8,6 bilhões de dólares.

Se os bancos estão mais rígidos para conceder empréstimos, os fundos têm dinheiro para investir.

É claro que a cautela é preponderante na escolha das empresas. Mas a busca por inovações não parou, continuamos atrás de bons negócios”

diz Carlos Eduardo Guillaume, diretor-executivo da Confrapar, que investe em empresas nascentes de TI.

1 2 3 4 Próximo »

Nenhuma Resposta

  1. Pingback: O sócio ideal entre os fundos de investimento 6 de março de 2009

Deixe seu Comentário