Você sabe o que é o Gerenciamento de Conteúdo Empresarial (ECM)?

Você já guardou recortes de jornais e revistas, achando que ia precisar consultá-los? E as pilhas de documentos e papéis antigos, já colecionou algo assim em sua mesa?

Isso era antes da internet, claro. Mas mesmo com a onipotência do Google ou com várias bibliotecas virtuais, muito conteúdo se perde ou não tem acesso livre.

Se para um jornalista isso é ruim, imagine para uma empresa que não pode colocar na rede seus documentos bem particulares e únicos.

Qual a solução?


Uma seguradora de saúde que precisa da apólice assinada, uma financeira com seus contratos impressos e empresas que não podem dispensar o papel têm aderido a serviços de ECM (gerenciamento de conteúdo empresarial), que arquivam tanto bits como celulose.

Funciona assim: os papéis são entregues a uma empresa que os indexa, classifica e guarda em galpões cheios de caixas. Lembra da cena final do primeiro filme do Indiana Jones, com aquela quantidade absurda de caixas em um armazém? Algo parecido.

Há algumas empresas que fazem isso. Uma delas é a Iron Mountain, que começou arquivando papéis do governo norte-americano dentro de uma mina de ferro desativada em uma montanha na Pensilvânia – daí seu nome.

A Iron Mountain digitaliza o documento e digita as informações importantes para a recuperação para criar um endereço formado pela pasta, caixa, estante, avenida de prateleiras e galpão espalhado pelo mundo. Quando o cliente precisa do original, a empresa promete entregar o papel em questão de horas.

Há algumas brasileiras nessa área, a P3Image, que afirma ter entre seus clientes o banco Itaú, a Eletropaulo, a universidade Anhembi Morumbi e o hospital São Luiz. Este é obrigado por lei a fazer cópias de cada documento em papel. Quem já foi a um hospital sabe a papelada que é preciso carregar de lá pra cá. Imagine quanto papel uma internação gera. Pois bem, são cerca de 650 mil atualizações por mês!

Na era da internet nossa pilha de recortes e documentos foi embora. O que será que vamos empilhar, agora? Pendrives? HDs externos? – via Empresas 2.0

2 Comments

  1. Eduardo Tetera 11 de junho de 2008
  2. kleber gomes 11 de junho de 2008

Deixe uma resposta para kleber gomes Cancelar resposta