Dá pra captar sinal da TV digital usando antena parabólica?

Desde o dia 2 de dezembro, as emissoras de televisão vêm aos poucos migrando suas programações e transmissões para o formato digital.

O que ocorreu à época foi o início somente da chamada “transmissão terrestre” da televisão digital, em que o pacote de dados (áudio, vídeo, interatividade e dados do programa) é enviado diretamente do transmissor (a antena da emissora) para o receptor (a antena e conversor) na casa do usuário.

A novidade que aos poucos começa a ser implantada é a transmissão do sinal digital por satélite. Neste caso, o sinal sai do transmissor para um satélite, e este reflete o pacote de dados para as antenas parabólicas dos telespectadores.

A vantagem neste caso é que se pode ir além das atuais restrições de alcance da TV digital, hoje apenas incipiente em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Na teoria, parabólicas em qualquer região do Brasil podem receber sinal digital.

O que o espectador vai precisar é de um set-top box (conversor) específico para antena parabólica, com um demodulador interno diferente daquele usado para a transmissão terrestre.

No entanto esses conversores específicos para antena parabólica ainda não estão à venda no Brasil – espera-se que eles estejam disponíveis a partir de maio.

Das principais emissoras de TV do Brasil, as únicas que já fazem esse tipo de transmissão são Rede TV! e Band.

A Rede Globo ainda faz testes com esta modalidade de transmissão, mas de uma maneira diferente. O sinal é enviado de forma codificada para o satélite e, em vez de ir direto para as casas dos espectadores, é enviado para as afiliadas da emissora. Estas decodificam o sinal e o retransmitem para as casas pelo modo “terrestre”.

A diferença entre as duas formas
Band e Rede TV! têm uma programação unificada para todo o Brasil, ou seja, todos os brasileiros assistirão a mesma grade usando parabólica.

As afiliadas da Globo, por sua vez terão autonomia para regionalizar a programação, já que haverá esta retransmissão. Comerciais e programas locais poderão ser especificados.

Mas pode haver um problema numa eventual opção pela TV digital nas parabólicas. Hoje, quem quiser aderir, terá acesso a apenas esses poucos canais digitais, pois a programação analógica não irá pegar. Para assistir aos outros canais, será necessário retornar para o modo analógico.

Isso deve manter lenta a adoção da TV digital parabólica. Enquanto não houver uma solução única de todos os canais digitais, não haverá grande migração para a transmissão por satélite. via PC World

27 Comments

  1. carlos roberto de paiva 5 de dezembro de 2011
  2. diabo 19 de abril de 2011
  3. marcelo 26 de março de 2011
  4. fco carlos gadelha 18 de dezembro de 2010
  5. PAULO HENRIQUE ALVES 17 de novembro de 2010
  6. felipe 4 de novembro de 2010
  7. luciano 26 de outubro de 2010
  8. kleber 10 de outubro de 2010
  9. reginaldo 31 de julho de 2010
  10. Gilmar 25 de julho de 2010
  11. cleyson francisco 18 de junho de 2010
    • Eduardo Tetera 18 de junho de 2010
    • mestre eletronica 29 de outubro de 2010
  12. Joao 23 de abril de 2010
  13. mauro 30 de março de 2010
  14. tales melo 24 de março de 2010
    • Sueli 23 de abril de 2010
  15. josue santos 8 de março de 2010
    • vanderson 9 de março de 2010
  16. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 2 de março de 2010
  17. vanderson 24 de fevereiro de 2010
  18. Alan 23 de fevereiro de 2010
  19. vanderson 20 de fevereiro de 2010
  20. Jorge 18 de novembro de 2009
  21. JOSÉ GENARO DE CASTRO LIRA 14 de julho de 2009
  22. Reinaldo 31 de dezembro de 2008
  23. Ribamar silva 18 de dezembro de 2008

Deixe seu Comentário