TI Verde, papel reciclado e a floresta amazônica

A Câmara Americana de Comércio (Amcham) realizou um evento sobre TI verde. A idéia foi boa, já que o assunto está na agenda do setor, e havia audiência, mas a iniciativa trazia entre os ‘palestrantes’ o executivo Antonio Gimenez da fabricante de papel International Paper.

Não, ele não é da área de TI, e estava lá para defender o uso do papel branco em detrimento do papel reciclado.

De cara pareceu algo como um fabricante de cigarros dizer que seu produto não faz mal, mas os argumentos apresentados até que foram bem convincentes. Veja:

  1. No Brasil, o uso de papel reciclado não salva árvores. A produção nacional de papel, ao contrário da Europa e Estados Unidos, usa florestas 100% replantáveis e sustentáveis.
  2. A produção de papel reciclável para fins de impressão e escrita exige mais energia e mais elementos químicos (para branqueamento).
  3. Do lado do usuário, o uso de papel reciclável desgasta mais as impressoras e exige mais tinta.

Sabe qual foi a sugestão dele?

Em vez de comprar papel reciclado, as empresas – e usuários domésticos – devem privilegiar produtos que tenham na embalagem o selo de certificação florestal, dado às empresas que usam florestas replantáveis em sua produção.

O mediador da apresentação – Antonio Lombardi, do Banco ABN Amro – fez ainda outra sugestão:

Quem quiser salvar a floresta Amazônica deve deixar de comer carne, e não usar papel reciclado, já que grande parte da floresta está desaparecendo para dar lugar a pasto.

Não se falou muito de TI, mas a argumentação foi interessante. O que você acha?

Deixe seu Comentário